Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Ventor em África

Foi assim, em 1968, em Marrupa, no Niassa. Ficamos os dois frente a frente, envolvidos por um mundo dourado

O Ventor em África

Foi assim, em 1968, em Marrupa, no Niassa. Ficamos os dois frente a frente, envolvidos por um mundo dourado

width=

O Vexilóide de Alexandre Magno

wildlife-3232671_960_720.jpg


Marrupa 68: foi assim que ele me olhou


Na rota do meu amigo Apolo com o vexilóide de Alexandre Magno e o mreu Leopardo


Em áfrica, tudo é grande e belo. Podem ver aqui o meu menu africano



Um PV2. Havia destes no Niassa, em operação. Bom dia Tigres onde quer que estejam


Depois? Bem, depois ... vamos caminhando!

Adrão e o Ventor
Caminhando por aí
Ventor e a África
Observar o Passado
Planeta Azul
A Grande Caminhada
A Arrelia do Quico
Os Amigos do Quico
Fotoblog do Quico
Fotoblog do Ventor
Fotoblog de Flores
Rádio Ventor
Pilantras com o Ventor
Fotoblog do Pilantras
Montanhas Lindas
Os Filhos do Sol
As Belezas do Ventor
Ventor entre as Flores

17.11.10

Mais um amigo que parte


Quico e Ventor

David "o inglês"

 

 

Mais um companheiro que nos abandonou. O da direita, de nome David, a quem chamávamos "o inglês". À esquerda o Sousa e ao centro o Alex

 

À nossa esquerda, o Sousa, um companheiro de guerra com quem bebi a minha primeira cerveja, numa tasca de Vila Cabral, sem ser o Café Planalto;

 

Ao Centro, o nosso amigo Alex, que o Senhor da Esfera quis que nos voltássemos a encontrar, muitos anos depois, em 2008, pela mão do nosso amigo comum, o Louco da Malásia. (Olá, Rui")!

 

À nossa direita, o nosso amigo David "o inglês", sobre o qual tenho uma pequena história:

 

Saímos da Base Aérea 2, Ota, com destino a Monsanto, Lisboa - o GDACI (Grupo de Detecção, Alerta e Conduta de Intersecção);

Levaram-nos para os subterrâneos de Monsanto, onde fomos apresentados ao Oficial de Dia, um Capitão, cujo nome não recordo e nem interessa. Esse Capitão olhou-nos um a um, com incidência nos nossos cabelos e voltou a fixar o olhar no nosso amigo "inglês".

 

De repente, o tipo deu um grande grito: "Fascina, a tesoura! Traga-me uma tesoura"!

 

Voltou a olhar o "inglês" e disse-lhe: "vou-lhe cortar o cabelo e depois vai acertá-lo à barbearia"!

O nosso amigo "inglês", com toda a calma deste mundo, olhou o Oficial de Dia e disse-lhe: "pode mandar vir as tesouras que quiser, mas no meu cabelo não toca"!

O capitão vira-se para mim e grita: "está a ouvi-lo"?

Eu que, tal como os meus colegas éramos um grupo de Especialistas da FAP que tínhamos chegado a Monsanto e era apenas o número mais antigo do grupo a que me coube fazer a apresentação, disparei a arma que tinha: "chegamos da Base Aérea 2, onde nos apresentamos ao Major Tomás para nos despedirmos e nos fez a respectiva revista para quem estávamos em condições. Por isso, recebemos a Ordem de Marcha para o GDACI e aqui estamos. Penso que o cabelo do David "o inglês", aprovado por oficial superior, não cresceu o suficiente, da Ota até aqui, para sofrer qualquer reparo. Acho que o melhor é desistir"

O Capitão saíu a barafustar, porta fora, e alguém foi incumbido de nos levar aos nossos destinos. Depois disto, eu voltei a ter outro problema com esse capitão que, talvez um dia fale nele e venci mais essa guerra.

 

Hoje todos estaremos tristes pela perda desse nosso amigo David, "o inglês", que já estará ao lado do Senhor da Esera.

 

O Senhor vai-te guardar David. 




O Ventor e a sua amiga cegonha, 1969, em Vila Cabral