Tenho ouvido muitas histórias ao Ventor, sobre a sua passagem pelo Continente Africano, especialmente, por Moçambique. O Ventor, além de ter passado por Moçambique, também fez uma visita turística a Ceuta, alguns tempos depois. 

Por isso e como gosto de ouvir essas histórias ao Ventor, vou falar-vos sobre o Ventor em África e, mais precisamente, sobre o Ventor, em Moçambique.

 

 

Quico

 

É isso, amigos!

 

Estou aqui, nesta outra janela, para vos falar da estadia do Ventor por terras de África. Claro que estou autorizado pelo Ventor, senão nem me atrevia a relatar, aqui, este pequeno grande nicho da sua vida!

 

O Ventor conta-me as histórias a 100%, mas eu, nalguns casos, só vos posso contar aí a 30-40%, para não melindrar ninguém. Sim porque, como devem calcular, as guerras causam melindres a muita gente e, daí, falar-vos, apenas e só, da estadia do Ventor por aquelas paragens lindas da «Mãe Negra».

 

Com o tempo,falarei das suas passagens por Luanda e Lourenço Marques (hoje Maputo), da sua pequena estadia de 4 dias em Nacala, da sua viagem na automotora para Nova Freixo (Cuamba), e das suas estadias por Nova Freixo (hoje Cuamba), por Marrupa e por Vila Cabral (hoje Lichinga).

 

Darei umas pinceladas sobre os rios Lugenda, Rovuma, Messalo e Lúrio. Não esquecerei o Lago Niassa e os povos daquela bela terra do Niassa, os Ajauas, os Macuas e os Nianjas.

Também não poderei deixar de dar algum cheirinho da guerra que por lá se travou, mas muito pouco para o cheiro a pólvora não se tornar enjoativo. Tudo isto vos irei contando a brincar!

 

Claro que darei prioridade a alguns amigos do Ventor - leopardos, hienas, leões, fococheros, changos, pacaças, patos, rolas, pombos, perdizes, codornizes, escorpiões, mamba negra, mamba verde, ... e, não esquecerei os seus Companheiros de Guerra.

 

Tudo isto, claro, pela linda terra a que chamamos Moçambique.

 



O Ventor e a sua amiga cegonha, 1969, em Vila Cabral

sinto-me: no Lugenda
música: kanimambo de João Maria Tudela
publicado por Quico e Ventor às 22:50