Agora que é o segundo S. Martinho que passo, sem a companhia do meu Quico, sou eu que vou oferecer, aqui, as castanhas para todos.

Para toda a gente que por aqui passar; podem levar castanhas até esvaziar o recipiente.

 

Quando eu, nesta altura do S. Martinho, dizia ao Quico: "vamos oferecer castanhas aos nossos amigos"? Ele dava uma corrida e só parava nesta janela. Não o fazia pelas castanhas, mas pela palavra "AMIGOS"! Esta palavra era a sua campainha de corrida para esta janela.

 

Hoje, não desafio o Quico para a corrida (ele ganhava-me sempre), mas venho eu sozinho, embora ele esteja sempre presente, aqui, a meu lado! Estou à espera que as castanhas assem para as trazer aqui, mais um copinho de água-pé e vou caminhando ao lado de todos aqueles que, em determinados momentos, por vezes difíceis, ainda continuam a fazer parte da minha vida.

 

 

Castanhas assadas num forninho

 

Por isso, mesmo que não gostem de castanhas, convido-os a todos a estender a mão e a tirar uma castanhinha e a beber um copinho de água-pé ou rosé. Tinha pensado ir ao meu amigo Checa buscar água-pé mas isto não está bom para fazer caminhadas, mesmo sentado no banquinho do melhor carro do mundo para as minhas necessidades. Isto está mau! Por isso, comprei a água-pé, cinco litros e já vi que era boa, aqui bem pertinho, mas não foi na adega da Dona Rita!

Para os velhos amigos e para os novos que vão aparecendo, haverá sempre uma forma de comermos juntos as castanhas e beber a água-pé, nem que seja apenas com os olhos.

 

 

Castanhas assadas com vinho verde rosé, Muralhas de Monção. Também com vinho rosé, Conde de Vimioso e água-pé que, posso considerar boa

 

Eu sei que o meu Quico, que tanto gostava de oferecer as castanhas e a água-pé, hoje, muito cedo, terá descido desde as Fontes até Soajo, dado umas voltas pelos espigueiros e ido acordar o S. Martinho, junto da Igreja, para irem juntos às castanhas e fazerem aquilo que o Ventor não poderia.

Assim, em meu nome e em nome do meu Quico deixo-vos aqui estas belas castanhas.

 

Claro que estou a escrever e a lembrar-me de alguns belos magustos que comi por este mundo e quero recordar que os melhores magustos de Adrão, comi-os, ainda pequeno, na casa do meu amigo Carrasco, que metia castanhas no borralho sem as cortar para darem aquele grande estoiro e fazer saltar as brasas.

Eu, que era um puto, gostava desses estardalhaços!

 

 

Uma garrafa de abafadinho de 2002

 

Eu sei, eu sei! Isto não se guarda!

Mas foi uma oferta do meu amigo Iatros e guardei-a como uma preciosidade. Depois passou o tempo e, esqueci-a! Esqueci a garrafa mas não esqueci o Iatros que, como todos ou quase todos os amigos, com o andar do tempo se evaporam como as nuvens ou, então, caem em dilúvios e desaparecem na mesma. As nuvens! O Iatros não! Eu calculo que ele ande por aí, pelo Alentejo (andará?) e, um dia, não beberemos esta garrafa, mas beberemos outra.

Trata bem os teus doentes alentejanos Iatros e, não te esqueças de comer castanhas com eles.

O que desejo para ti, como médico e como amigo das nossas lides "néticas" que já foram, é o que desejo para todos os médicos deste mundo, teus companheiros de caminhada.

Não a bebi, mas obrigado pela garrafinha à qual ou melhor, às quais, tenho a certeza, com todo o prazer dedicaste as tuas horas de descanso. Para mim, por isso e não só, esta garrafinha nunca será esquecida. Creio que não estará em condições de beber e, por isso, vai regressar ao lugar que tem ocupado.

Ela estava destinada a um dos meus S. Martinho. Mas, agora, é tarde!



O Ventor e a sua amiga cegonha, 1969, em Vila Cabral

publicado por Quico e Ventor às 21:56