Podem ver aqui, no Shutterfly, numa das minhas caminhadas pela reserva de S. Jacinto, Flores da Reserva Natural das Dunas de S. Jacinto

 

Caminhar na Ria do meu amigo Alex, é caminhar numa língua de terra entre o oceano Atlântico e uma reentrância do mesmo que entra terra dentro, desde a barra de S. Jacinto até próximo de Ovar.

Caminhar entre a Ria e o Atlântico, é caminhar numa faixa de terra encravada no mar, com uma altura de 0 a 10 mts., praticamente, sempre em torno dos 5 mts, quando a escala salta de cinco em cinco metros. É assim desde a zona de Ovar até S. Jacinto.

 

 

Jacinto da areia, (e o seu "Olá, Ventor"!), logo à entrada do campo dunar, ao lado do corredor de madeira que nos leva rumo à praia de S. Jacinto

 

Rodando, rumo a S. Jacinto, à nossa direita ficam os campos agrícolas, hortas e lavouras com alguns animais pastando ao sol e sabemos que, por detrás da linha do horizonte demarcada com algumas árvores, fica a azáfama de Neptuno, debatendo-se com as dunas e belas praias, como as praias de S. Jacinto e da Torreira. Sempre alerta, vai restolhando na areia que para ali foi empurrando durante alguns séculos, formando aquilo que podemos chamar uma costa nova. Olhando à nossa esquerda, entra terra dentro esse estreito braço de mar que parece querer afogar tudo desde a barra de S. Jacinto. É nessa língua de terra que existe a Reserva Natural das Dunas de S. Jacinto, numa extensão de cerca de 666 hectares.

 

 

Umas senhoras chamaram-lhe, não sabemos, um responsável pela área da reserva, chamou-lhe, "assembleias". Eu vi escrito algures, "cravos da areia" mas, cravos ou não, só a energia miraculosa do meu amigo Apolo as ajuda a sobreviver em terrenos tão inóspitos

 

Nas minhas caminhadas pela Ria, além da belíssima paisagem do sistema de terra e de mar, ora agora mandas tu, ora agora mando eu, e da convivência com o meu amigo Alex e sua esposa, Tina, os copos e os pratos, papo cheio-papo vazio, tivemos a oportunidade, eu e o Alex, de fazermos o corredor de madeira até à praia de S. Jacinto, conviver amigavelmente com os jacintos da areia ou jacintos do mar, com outras flores que o técnico da reserva nos disse chamarem-lhe "assembleias" e com as minhas lindas rosadinhas as "silenes da areia" e mais umas outras.

 

Estas lindas meninas, todas elas, especialmente as rosadinhas, adoram ouvir o ruído estrondoso de Neptuno, no seu chega para lá, ao ponto de fazer estremecer  o estrado arenoso da sua vivência. Lá longe, para oeste, o meu amigo Apolo descia trombudo, pronto a deitar-se na cama fresca feita pelo nosso amigo Neptuno.

 

 

Silene da areia - uma beleza! Esta e eu vimos o nosso amigo Apolo a sorrir-nos. Ela sabe que Apolo a colocou no meu caminho para surprender o Ventor

 

Trombudo porque, quando de manhã me apareceu no morro da Brandoa, ali pela Amadora, vestido com cores salomónicas, sempre sorrindo, eu olhei-o pela minha varanda e lhe chamei "Kon ti-ki" como os meus amigos incas. Mas por qualquer razão, sempre que lhe chamo Kon ti-ki, ou porque a minha fonia não lhe soa bem ou seja pelo que fôr, fica sempre trombudo comigo!

Diz-me que lhe parece mal um amigo como eu, forjado nos cruzamentos das civilizações greco-romanas, usar o pomposo nome inca de kon ti-ki. Por isso fica de trombas mas não fica zangado.

Mesmo assim, lá foi gritando que colocara ali, em pleno areal, as belas flores rosadas para eu me entreter e para saber que o seu mundo continua a ser sempre belo, por onde quer que eu me encontre. Não deixando, contudo, de me pedir que deixasse de usar a linguagem do inca!

OK! Pronto, desisto!

Somos mesmo amigos! Ele já me viu furioso entre os Incas e sabendo que pouco faltou para ir tudo para a casa do diabo, mandou o meu amigo Antar buscar-me! O Antar, mais uma vez, foi a minha única saída!

 

 

Uma goivo da areia, já uma velha conhecida do Ventor, mas o nosso amigo Apolo quis que nos reencontrássemos em S. Jacinto

 

Por isso, com a ajuda do meu amigo sapiente, Apolo, vos deixo, em cima, estas belezas da Reserva Natural das Dunas de S. Jacinto.



O Ventor e a sua amiga cegonha, 1969, em Vila Cabral

publicado por Quico e Ventor às 00:32