Mafra é uma terra com muitas flores.

 

 
 
Há muitas flores por Mafra. Elas são companheiras das nossas caminhadas

 

O seu jardim, frente ao Convento, sempre que lá vou, oferece-me rosas. Rosas de várias cores e, estão sempre a pedir-me para não me esquecer de as trazer comigo. Claro que eu não me faço rogado!

Deixo o Maralhal na pastelaria da esquina, frente ao Convento, levo o carro para os espaços livres, frente ao Convento, venho beber o café por um lado e vou buscar o carro pelo outro mas, sempre a disparar! Click, click, click ... e venho cheio de rosas! Depois seguimos para o nosso destino e, como há flores por todo o lado, até nas escadas do Checa, continuo com os clicks.

 

Mas Mafra tem flores especiais, tal como esta minha amiguinha branca!

 

 
Uma amiga para valer, a nossa jumenta de Mafra

 

Quando era pequenino, em Adrão, tinha um amigo desses. Era o burro do ti Silva. O burro do ti Silva, dava horas para mim. A minha irmã dizia-me: "ouves? O burro do ti Silva está a dar horas para irmos embora"!

Esta nossa menina ou chama por mim ou, então, diz ao espanhol que o instrumento de sopro que ele utiliza, não presta, que ela é muito melhor que o seu belo instrumento.

Claro que o espanhol, com 83 anos, segundo me diz o Checa, fica danado! Não admite, pelos vistos que, uma jumenta de Mafra, consiga melhor som que o instrumento dele.

 

Mas, a nossa flor especial de Mafra é de facto, um encanto e prepara-se para nos mostrar o seu rebento. Sim, porque ela vai dar à luz um rebento que, um dia, vai receber o Ventor à chegada.

Quem me dera, linda jumentinha que, um dia, concorresses a uma eleição para o nosso Parlamento. Então, o povo português, viria a saber a diferença entre burros autênticos e manhosos e uma jumenta de Mafra.

 

Mas, nas minhas caminhadas, há sempre peripécias. Aqui ou ali, elas aparecem. Resolvi deixar o Maralhal na conversa e fazer uma pequena caminhada. Encontrei o Louco da Malásia, no carro, e perguntei-lhe se queria ir comigo, pelo menos, até ao fundo da rua.

Ele saíu e começou a andar. Disse-lhe: "não te esqueças que não é só ir. Também tens de voltar. Calculas o espaço do retorno e, quando quisers, voltamos".

 

 
Foi o vinho do Alex que nos levou a Mafra

 

Conversávamos, olhei um muro e vi um caracol. Apontei a máquina, fiz click e disse: "este vai comigo"! Segui e, o nosso louco especial, ficou para trás a observar o caracol.

"Anda lá pá" - disse eu!

"Sabes uma coisa" - disse ele. "acho que não vou ser capaz de acompanhar este gajo. Ainda me obriga a acelerar e, então, é que não há retorno possível"!

E continuou: "não me atrevo a fazer uma caminhada com um caracol disposto a acompanhar-te. Mas, está frio e vou buscar o blusão ao carro". Como ele já estava a 30 metros do carro, pensei cá para mim: "já está a iniciar o retorno"!

 

E lá fui eu à procura de sardões, cobras, flores, ... e, estirar as pernas, nos subúrbios de Mafra. O Louco da Malásia sentiu o conforto dos bancos do carro e já não saiu de lá, com ou sem blusão.

Cobras e sardões não vi, mas a Tina e não sei quem mais, viram um, no dia seguinte, no domingo. Já sei que há ali um ou dois, devido aos telhados onde é visto ou são vistos. Fica para a próxima.



O Ventor e a sua amiga cegonha, 1969, em Vila Cabral

publicado por Quico e Ventor às 16:34